Uma das estratégias que tem ganhado mais força, vídeo marketing continua em foco no marketing digital em 2017

 

Apontado nos últimos anos como uma estratégia em crescimento exponencial, o vídeo marketing já passou da discussão entre ser feito ou não pelas empresas. Agora as empresas se questionam de que forma fazer com que esse recurso trabalhe a seu favor. Um jeito fácil de criar identificação com o público, vídeos também tem potencial de gerar receitas, já que são cada vez mais consumidos na internet. Segundo a Syndacast, empresa asiática líder em marketing de conteúdo, neste ano 74% do consumo de internet será por vídeos.

Com capacidade para ser trabalhado a partir de diversos objetivos, o vídeo pode desde educar os clientes e consumidores, até mesmo expor diretamente o valor e alcance do seu trabalho. Tudo depende de como e para quem você decide falar.

Para dialogar com possíveis clientes que não conhecem sua empresa, bem como com clientes antigos, você pode fazer um vídeo. Este formato de conteúdo é válido para qualquer etapa no seu relacionamento com potenciais consumidores do seu negócio.

Pensando nas variadas frentes e formatos de vídeo possíveis para trabalhar o marketing digital, agora você vai ver quatro fatores decisivos para investir nessa estratégia, independente da área da sua empresa.

Vídeos para diferentes objetivos

As possibilidades são várias quando o assunto é produzir vídeo para seu público. Alguns dos caminhos são vídeos para educar seus clientes e potenciais clientes, fornecendo informações e esclarecimentos sobre sua área.

Por outro lado, você também pode oferecer materiais que tratem de seus serviços, produtos ou conteúdos produzidos pela sua empresa ou ainda apresentar os diferenciais da sua marca. Porém, especialistas consideram que materiais de fundo de funil devem ser prioridade definitiva para sua área de marketing e vendas.

No marketing, adota-se o funil para acompanhar o estágio da relação empresa-cliente e para organizar a produção de conteúdo focada em cada nível desse contato. No topo está a parcela potencial que sequer conhece sua empresa ou como seus produtos e serviços podem ajudá-lo. Já no fundo do funil estão em fase de avaliação e decisão de compra. Para todos eles você pode produzir vídeos.

Topo de funil

Dentre os conteúdos para topo de funil, o foco deve ser promover o conteúdo gerado sobre seus serviços ou produtos. Para distribuição desse vídeo, o foco deve ser nas redes sociais como Facebook – que tem priorizado cada vez mais essas publicações – onde há grande parcela de público menos específico.

Compartilhar nas redes sociais pode ser uma boa maneira de ser visto por mais gente e pode aumentar a taxa de cliques para seu site. Outras dicas importantes são: investir em um primeiro frame atraente e preparar o vídeo para ser visto sem som – hábito comum no Facebook.

Base de funil

Já no conteúdo voltado para a base do funil, os vídeos devem estimular a conversão de possíveis clientes em clientes. Para isso, você pode mostrar por que sua empresa é destaque em determinados assuntos. Vídeos de cases do seu serviço também são uma boa alternativa, colocando seus clientes para falar com seu público sobre como você foi importante para ele! Vale destacar: mais da metade dos profissionais de marketing consideram vídeos com depoimentos de clientes os mais efetivos!

Esse tipo de vídeo marketing deve ser interativo e criativo, podem gerar alta taxa de engajamento e devem ser explorados. Se for para produzir conteúdo irrelevante apenas para estar na moda, melhor esperar e produzir vídeo de conteúdo relevante, chave para conversão.

Ofereça conteúdo personalizado

Pesquisas relacionadas ao mercado mostram que, em 2015, 74% dos negócios B2B (empresa-empresa) já reconheceram que o vídeo converteu mais leads que qualquer outra mídia. E a tendência é que esse formato continue em crescimento.

Nesta apresentação, Rob Humphrey, Executivo Sênior de Contas do LinkedIn, destaca a importância do conteúdo personalizado quando se trata de vídeo marketing. Para ele, vídeos com conteúdo personalizado tem maior potencial de conectar sua marca às pessoas no nível emocional. Esse efeito engajador do seu material é ainda melhor aproveitado se feito e distribuído para audiências mais particulares em diferentes estágios da jornada de compra.

O evangelista de vendas sociais Jill Rowley também frisa as possibilidades com vídeo online. Ele considera esta a melhor forma de humanizar o processo de venda, destacando as informações oriundas do consumo dos vídeos. Entender como chegam ao público, quem consome, qual plataforma, dentre outros dados que podem ser úteis à equipe de vendas.

Formatos variados para vídeo marketing

Além de poder trabalhar vídeo marketing para clientes e potenciais clientes em diferentes estágios de contato com sua empresa, você também pode abordar esse conteúdo de diversas formas. Mas é imprescindível levar em conta a relevância do conteúdo e a distribuição desse material.

Eric Santos, CEO da Resultados Digitais, destaca quatro formas que o vídeo pode ser usado na sua estratégia de conteúdo. Ele destaca que existe hora e lugar para tudo. Formatos diferentes podem ser consumidos pelas mesmas pessoas em momentos distintos:

  • Formato mais leve para tratar de tema específico – não precisamente muito planejado, mas apontamentos prévios ajudam a se organizar -, muitas vezes feito com câmera de celular ou notebook. Fácil e prático, voltado para conteúdos produzidos e consumidos rapidamente;
  • Vídeos um pouco mais longos e refinados com breve explicação sobre determinado tema, produto ou serviço da sua área e conteúdo um pouco mais rico;
  • Vídeos pouco mais longos e um pouco mais avançados em produção, trabalhando assuntos da área da sua empresa em entrevistas. Pode ser em hangout (convidado participando através de vídeo-conferência) ou presencialmente;
  • E vídeos de conteúdo mais rico, como os seminários online (webinars), que são mais abrangentes e completos sobre determinado tema.

Ampliar alcance e distribuição de conteúdo

Outra vantagem de trabalhar vídeo na estratégia de marketing é ampliar as possibilidades de divulgação do material produzido pela equipe. O vídeo também é conteúdo e exige também pensar no seu papel dentro da estratégia. Por exemplo, se o vídeo é educativo, é necessário pensar nas principais dúvidas dos clientes e respondê-las.

Co-fundador da Rock Content, Vitor Peçanha sugere que mesmo essas dúvidas já exploradas em blogposts, e-books ou qualquer outro formato, você pode expandir a divulgação adotando outras formas. Um blogpost pode se transformar em vídeo, um e-book em webinar ou série de blogposts, e por aí vai. Essa variação permite diferentes meios de alcançar potenciais clientes, aumentando as chances de contato com seu material. Consequentemente, esses clientes terão contato com sua empresa.

Vídeos são uma arma em potencial quando se trata de estratégia de education. Para isso, explore vídeos curtos, breves e diretos para transmitir dicas rápidas. Se a sua estratégia é mais ampla, para aprofundar temas de interesse dos seus clientes, adote webinars ou entrevistas. Diversificando a distribuição do seu material você amplia a comunicação com seu público e as possibilidades do conteúdo ser consumido.

Conclusão

Essas dicas são algumas das possibilidades de explorar o vídeo na estratégia de marketing da sua empresa. Vale lembrar que cada formato e cada plataforma que você vai usar distribuindo o material precisa ser pensado no planejamento. 

A verdade é: quem não está investindo em vídeo marketing está ficando para trás na comunicação com seu público. E se você se interessou por este assunto, pode conferir outras dicas para vídeo marketing no nosso e-book. Ele está disponível na sessão de materiais gratuitos do blog, não percar tempo e baixe agora!

 


Comentários